Operação SOL

Amigos,
dia 13 de Março temos o Encontro de Preparação para a Quaresma em Tarouca com o tema "Operação SOL - Sacrifício, Oração, Libertação".
O encontro começa às 9h e tem o encerramento às 17h. Oferta do almoço aos participantes.
As confirmações devem chegar ao SDPJ até dia 28 de Fevereiro.
Qualquer dúvida perguntem!! Até lá!!

Partilha

Share/Bookmark

Limpar Portugal

Partindo do relato de um projecto desenvolvido na Estónia em 2008, um grupo de amigos decidiu colocar “Mãos à Obra” e propor “Vamos limpar a floresta portuguesa num só dia”. Em poucos dias estava em marcha um movimento cívico que conta já com cerca de mais de 17000 voluntários registados.

Neste momento já muitas pessoas acreditam que é possível. O objectivo é juntar o maior número de voluntários e parceiros, para que todos juntos possamos, no dia 20 de Março de 2010, fazer algo de essencial por nós, por Portugal, pelo planeta, e pelo futuro dos nossos filhos.

Muito ainda há a fazer, pelo que toda a ajuda é bem vinda!

Quem quiser ajudar como voluntário só tem que consultar o sítio do projecto na internet, http://www.limparportugal.org/ , onde tem toda a informação de como o fazer.

O projecto Limpar Portugal também está aberto a parcerias com instituições e empresas, públicas e/ou privadas, que, através da cedência de meios (humanos e/ou materiais à excepção de dinheiro) estejam interessadas em dar o seu apoio ao movimento.

No dia 20 de Março de 2010, por um dia, vamos fazer parte da solução deixando de ser parte do problema.

“Limpar Portugal? Nós vamos fazê-lo! E tu? Vais ficar em casa?"

Partilha

Share/Bookmark

Caríssimos amigos das causas da Vida e da Família,
A Plataforma Cidadania e Casamento mantém-se dinâmica e activa na luta por um referendo que dê ao povo a palavra sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo e que nos permita preservar a família autêntica. Neste sentido, vamos realizar no próximo dia 20 de Fevereiro em Lisboa uma Grandiosa Manifestação sob o tema “Pelo Casamento e pela Família: exigimos o referendo." A concentração deverá ser na praça Marquês de Pombal às 15h, descemos a Av. da Liberdade e nos Restauradores faremos a Festa da Família. Sugerimos que nos encontremos 20 minutos antes para podermos iniciar a manifestação à hora agendada. Junto enviamos o manifesto da Manifestação. É essencial que enchamos a Av. da Liberdade e a praça dos Restauradores com muitos milhares de pessoas, e para que tal suceda é necessário que comecemos já a trabalhar, divulgando por todos os meios ao nosso alcance esta importantíssima iniciativa, assim como promovendo a organização e informação de transportes que permitam a fácil adesão de todos os que quiserem estar presentes.
Todas as informações sobre a manifestação em http://www.casamentomesmosexo.org/manif/

Partilha

Share/Bookmark

"Nem que tivesse de ser expulso do País ou ficar sozinho, não deixava a minha voz ficar... Isto é uma aberração."
Foi com estas palavras que o general Garcia Leandro, um dos 25 militares de Abril que ontem se juntaram à Plataforma Cidadania e Casamento, exprimiu a sua oposição à lei do casamento gay. Ontem, o também vice-presidente da assembleia-geral da Confederação Nacional das Associações de Família criticou a "pressa" com que o processo foi conduzido e defendeu que "o poder político não pode criar problemas à sociedade". Por isso, mais de 25 militares escreveram uma carta aberta para entregar aos órgãos de soberania. Aurélio Trindade, Hugo dos Santos e Rocha Vieira são alguns dos generais subscritores da carta.

Partilha

Share/Bookmark

A 'coisificação' da criança

No recente estudo de opinião efectuado pela Eurosondagem, 45,5% dos inquiridos concordam com o casamento homossexual, contra 49,5%, que se opõem. Contudo, à pergunta "E com a adopção por casais homossexuais?", o resultado do "não" (68,4%) mais que triplica o do "sim" (21,8%).Um número significativo dos inquiridos - embora não maioritário - concorda que a união de duas pessoas do mesmo sexo possa ser integrada na categoria de um casamento civil, porque, julgam eles, o contrário significaria uma discriminação. Não têm tempo, paciência ou liberdade de espírito para pegar na questão e pô-la no seu lugar certo, nem que seja por um mero exercício intelectual: não há discriminação quando se trata diferentemente o que é diferente, nem o que é diferente passa a ser igual através da alteração de alguns artigos do Código Civil. A única consequência será destituir de qualquer sentido o casamento civil, que, ao perder os seus pressupostos e objectivos, fica reduzido a um contrato subtraído à liberdade contratual das partes, por uma inexplicável ingerência do Estado. Porque se duas pessoas do mesmo sexo se podem casar não há razão para proibir o casamento a termo certo (5, 10, 20 anos) ou o casamento poligâmico (um homem e três mulheres, uma mulher e dois homens). Fazia mais sentido a devolução deste contrato às partes, hetero ou homossexuais, permitindo que cada um estabelecesse livremente o modelo da sua união. Quanto à segunda pergunta, isto é, se concorda ou não que casais homossexuais adoptem crianças, quase metade dos que antes diziam "sim" ao casamento dizem, agora, "não" à adopção. É que enquanto o casamento só envolve os próprios, a adopção implica terceiros, crianças que não têm capacidade de exprimir a sua vontade e, por isso, precisam de quem as represente. Ora, sendo ao Estado que compete esta função, e sendo o Estado, ele próprio, o legislador, na prática as crianças ficam sem representante que defenda o seus superiores interesses. Aqui a situação complica-se e, à cautela, quem antes dizia sim passa a dizer não.A ausência de debate permitiu que uns ocultem, e muitos desconheçam, um inexorável nexo de causalidade: o casamento dos homossexuais acarretará, automaticamente, o direito a adoptarem. Também aqui, basta um mero exercício intelectual. De facto, assentando a iniciativa legislativa no princípio da igualdade, uma vez esta estabelecida por lei, não poderá manter-se uma capitis diminutio em nome da diferença. Porque é ela - a diferença - que cria dúvidas quanto à adopção, dúvidas que terão de ser engolidas após a aprovação da lei sob pena de se estar a consagrar casamentos de primeira e casamentos de segunda, ao arrepio de todo o discurso oficial e, julgo mesmo - agora sim -, da Constituição.É esta a verdadeira questão. Não estamos perante um mero exercício intelectual, nem no âmbito restrito da contenda política. É mais grave, é mais sério. As crianças adoptáveis são crianças privadas, por diversos motivos, dos seus pais biológicos. Vêm de famílias tão ausentes que se tornaram inexistentes e são entregues à tutela do Estado, a quem compete providenciar um novo projecto de vida que passa pela realização do direito de cada criança a ter um pai e uma mãe adoptivos, na falta dos biológicos. A tarefa é enorme e só quem nunca lidou com estas crianças, os seus percursos, as dúvidas e angústias na construção de um novo destino assente no respeito absoluto pelo melhor interesse de cada uma delas, pensa que uma promessa eleitoral transformada em lei pelo Parlamento, sem um maior escrutínio da sociedade, pode varrer todos os valores e princípios que enformam o sistema de protecção dos menores.Esta lei pode ser a consagração da "coisificação" das crianças, a sua utilização como uma coisa, um adorno de uma mera simbologia. Uma irresponsabilidade atroz para a qual ninguém recebeu mandato.

Maria José Nogueira PintoDN 2009-11-12 às 01:04

Partilha

Share/Bookmark

Livro de 1º Reis 3,4-13.



Naqueles dias o rei Salomão foi oferecer sacrifícios a Gabaon, porque era o principal dos altos lugares sagrados; Salomão ofereceu mil holocaustos sobre aquele altar. Em Gabaon, durante a noite, o Senhor apareceu em sonhos a Salomão e disse-lhe:

«Pede-Me o que quiseres».

Salomão respondeu:

«Vós manifestastes grande benevolência para com o vosso servo David, meu pai, porque ele andou na vossa presença com fidelidade, justiça e rectidão de coração. Mantivestes com ele tão grande benevolência que lhe destes um filho para suceder no seu trono, como acontece neste dia. Senhor, meu Deus, Vós fizestes reinar o vosso servo em lugar do meu pai David e eu sou muito novo e não sei como proceder. Este vosso servo está no meio do povo escolhido, um povo imenso, inumerável, que não se pode contar nem calcular. Dai, portanto, ao vosso servo um coração inteligente, para saber distinguir o bem do mal; pois, quem poderia governar este vosso povo tão numeroso?».

Agradou ao Senhor esta súplica de Salomão e disse-lhe:

«Porque foi este o teu pedido e já que não pediste longa vida, nem riqueza, nem a morte dos teus inimigos, mas sabedoria para praticar a justiça, vou satisfazer o teu desejo. Dou-te um coração sábio e esclarecido, como nunca houve antes de ti nem haverá depois de ti. Dar-te-ei também o que não pediste: dou-te riqueza e glória, de modo que, durante a tua vida, não haverá, entre os reis, ninguém como tu».

Partilha

Share/Bookmark

O Amigo

O amigo que consegue estar calado connosco num momento de confusão ou desespero, que pode ficar ao pé de nós numa hora de desgosto e pesar, que tolera não saber… não curar…é este o amigo que verdadeiramente quer saber de nós.


Henri Nouwen
(1932-1996) Padre e escritor

Partilha

Share/Bookmark